quinta-feira, 5 de junho de 2014

Rally da Pecuária 2014: Pecuária emprega mais tecnologia, mas cria e recria requer investimento


A pecuária brasileira emprega cada vez mais tecnologia na produção, mas precisa acelerar o processo tecnológico no processo de cria e recria de gado. Esta é uma das conclusões do Rally da Pecuária 2014, cujos resultados foram apresentados hoje em São Paulo.

"Estamos diante de uma revolução em termos tecnológicos da pecuária brasileira, que sempre foi tratada como o patinho feio do agronegócio nacional em produtividade. Já é a terceira vez em quatro anos que constatamos o aumento de produtividade", disse o sócio diretor da Agroconsult, André Pessoa, organizador do evento. Conforme levantamento da expedição, a produtividade média de abate está em sete arrobas por hectare por ano. A do ciclo completo, apurado pela expedição, é 9,4 arrobas por hectare por ano, 30% a 35% superior ao observados em ralis anteriores. A média nacional é de quatro arrobas por hectare/ano.

Entretanto, quando se compara a produtividade por atividade (levantamento feito pela primeira vez no Rally da Pecuária), a da cria e recria ainda está aquém da engorda e do ciclo completo. A cria, pelos dados da expedição, está com uma produtividade de seis arrobas por hectare/ano, enquanto a média nacional ainda é mais baixa, de dois arrobas por hectare/ano. Já a recria, pela expedição, é de 9,7 arrobas por hectare por ano, sem parâmetros nacionais, e a da engorda, 40 arrobas por hectare por ano.

"Mais uma evidência de que as técnicas da pecuária, principalmente as de engorda, já estão dominadas. Precisamos é dominar melhor a cria e a recria. E isso é um desequilíbrio que o setor precisa trabalhar ao mesmo tempo que são necessárias políticas públicas para trabalhar melhor", completou Pessôa.

Para o coordenador técnico geral do Rally da Pecuária e sócio da Agroconsult, Maurício Palma Nogueira, a cria e recria sempre foram atividades que não tinham muito espaço, porque o criador não estava capitalizado. "Hoje, o bezerro está chegando ao valor que precisava estar no mercado para o criador estar mais capitalizado e os investimentos serem maiores na atividade", explicou.

Na edição deste ano do Rally da Pecuária, a Agroconsult levantou dados de um rebanho de 1,9 milhão de cabeças, com uma taxa de desfrute de ciclo completo de 32,6%, idade média de abate de machos de 29,7 meses.

(Suzana Inhesta e Gabriela Vieira)
Fonte: Agência Estado

0 comentários

Postar um comentário