quinta-feira, 15 de maio de 2014

Alertas de Mercado: Boi , Café e Suínos


Boi
O ritmo de negócios no mercado de boi gordo está bastante lento. Apenas nos últimos dias é que operadores relataram um número maior de efetivações, devido à necessidade de compras por parte de alguns frigoríficos e/ou à da retomada de negociações que haviam sido postergadas por pecuaristas quando a indústria ofereceu valores abaixo dos vigentes. Entre 7 e 14 de maio, o Indicador do boi gordo ESALQ/BM&FBovespa (estado de SP) cedeu 0,8%, fechando em R$ 122,69 nessa quarta-feira, 14. Na parcial de maio, a queda é de 1,03%. Segundo pesquisadores do Cepea, ainda que as efetivações de lotes a preços maiores tenham limitado o movimento de baixa, as cotações estiveram pressionadas pela abertura de preços menores de balcão por parte de frigoríficos.

Café

Apesar de registrar pequenas altas em alguns dias, os preços do café arábica estão em movimento de baixa desde o início de maio. No acumulado do mês, o Indicador CEPEA/ESALQ do tipo 6, bebida dura para melhor, posto na capital paulista, já recuou 10,11%, fechando a R$ 422,25/saca de 60 kg nessa quarta-feira, 14. Segundo pesquisadores do Cepea, a pressão vem de indicações de que os prejuízos da seca à produção de café do Brasil tenham sido menores que os esperados pelo mercado. Além disso, neste momento, as condições climáticas estão favoráveis à colheita do café no Brasil. Nesse cenário, a liquidez está bastante limitada, já que muitos agentes estão fora do mercado. 

Quanto às exportações brasileiras de café (arábica e robusta), estas seguem com bom desempenho na parcial desta safra 2013/14 (de julho/13 a abril/14), em termos de volume. De acordo com dados do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (CeCafé), no acumulado da temporada, já foram embarcadas mais de 25 milhões de sacas de 60 kg de grão verde. Considerando-se todos os cafés (verde, torrado e moído, solúvel), foram quase 28 milhões de sacas embarcadas no período. Ambos os volumes já superam o exportado no mesmo período das safras 2011/12 e 2012/13. 

Apesar da quantidade elevada, o montante obtido com os embarques totais segue reduzido. Na parcial da temporada 2013/14, exportadores receberam US$ 4,2 bilhões, a menor receita para o período desde a temporada 2009/10.

Suínos

O setor suinícola brasileiro avança o mês de maio com baixa liquidez e preços em queda tanto para o animal vivo como para a carne. De acordo com pesquisadores do Cepea, a expectativa é que, na primeira quinzena de junho, além do típico aquecimento das vendas, a proximidade da Copa do Mundo favoreça o consumo no atacado e varejo, o que pode alavancar as cotações dos produtos. 

De modo geral, o Dia das Mães contribuiu para ampliar as vendas de cortes específicos em alguns dias; para as carcaças, as compras até aumentaram, mas não como o esperado, o que, somado aos estoques relativamente elevados, fizeram com que os preços seguissem em baixa. Pesquisadores indicam que as quedas só não foram maiores por conta do bom desempenho das exportações brasileiras de carne suína in natura, que vêm aumentando mês a mês desde o início do ano.

Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br 

0 comentários

Postar um comentário