quinta-feira, 8 de maio de 2014

Alerta !!! Confirmado primeiro caso de mormo em equino em Mato Grosso


Amostra de sangue do equino que apresentou resultados positivos para o mormo em Mato Grosso deve ser encaminhada nesta quinta-feira (08) pelo Instituto de Defesa Agropecuária (Indea/MT) ao Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro) em Pernambuco. É que confirmou, aoAgrodebate, a presidente do órgão, Maria Auxiliadora Diniz.

A coleta foi realizada nessa quarta-feira por médicos veterinários do Indea. A fazenda onde está o animal tem parte da área em Vila Bela da Santíssima Trindade e, a outra, em Nova Lacerda. A propriedade, cujo nome não foi divulgado, é dividida por um rio e, segundo o Instituto, o equino estava no segundo município. Caso a nova análise acuse o mormo, o animal infectado deverá ser sacrificado e os demais submetidos aos exames. É o que prevê a Instrução Normativa número 24 de 5 de abril de 2004, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

"Quando se tem um teste de fixação [de complemento] positivo, mas não encontramos os sintomas clássicos da doença no animal temos que partir para um novo exame conclusivo", explicou a gestora.

A fixação de complemento é o teste que identifica a doença. A primeira confirmação surgiu após diagnóstico realizado em um dos laboratórios credenciados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em São Paulo. A nova amostra de sangue será agora avaliada pela técnica de Western blotting (WB).

O Indea considerou o caso como isolado e disse aguardar novos resultados. A propriedade foi interditada e o animal isolado. Desde a confirmação do mormo em Mato Grosso, o órgão também condicionou a realização de eventos agropecuários onde ocorram aglomeração de equídios à apresentação de atestado negativo para a enfermidade, além da Guia de Trânsito Animal (GTA).

O trânsito de animais para fora do Estado será permitido apenas mediante apresentação de diagnóstico comprovando a não existência da doença. As medidas de controle do mormo, com aplicação de restrição e interdição do trânsito de equídios constam já em portaria do Instituto de Defesa publicada nesta quinta (08) em Diário Oficial do Estado.

O mormo

A doença constitui uma grave enfermidade infecto-contagiosa que atinge cavalos, burros e mulas. Tem como sintomas a febre alta, tosse e secreção nasal, nódulos no nariz e pulmões ou mesmo feridas nos membros.

É causada pela bactéria Burkholderia malleie pode ser transmitida ao homem e, em 95% das ocorrências, pode ser fatal. O contato direto com o animal contaminado ou outros materiais podem facilitar o contágio.

Fonte: G1 MT 

0 comentários

Postar um comentário