sexta-feira, 25 de abril de 2014

Mato Grosso: Autorizada a venda antecipada de vacinas contra a febre aftosa


O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea/MT) autorizaram a comercialização das vacinas contra a febre aftosa, pelas revendedoras credenciadas, a partir da próxima segunda-feira, dia 28, conforme solicitação feita pela Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato). Os bovinos e bubalinos alvo da vacinação, com idades de até 24 meses, devem ser vacinados somente a partir do dia 1º de maio, quando começa a campanha de vacinação contra a febre aftosa.

Segundo o presidente da Famato, Rui Prado, o pedido de antecipação da venda das vacinas tem o objetivo de proporcionar maior aproveitamento do período da campanha, pois dia 1º de maio é feriado. “Com a comercialização antecipada, o produtor tem mais tempo para se organizar, comprar as vacinas e cumprir com esta obrigação sanitária em suas propriedades”, explica.

A imunização é obrigatória em todo território estadual exceto no baixo Pantanal. Conforme informações do Indea, na primeira etapa do ano passado, mais de 12 milhões de bovinos e bubalinos foram vacinados, o que representa 99,03% do rebanho até dois anos de idade. Para este ano, a expectativa do órgão é imunizar 12,5 milhões de animais. “O produtor rural é consciente sobre a importância da vacinação e este resultado reflete a sanidade do rebanho bovino e bubalino mato-grossense, que não registra casos de aftosa desde 1996 e hoje é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como território livre da doença com vacinação”, acrescenta Prado. 

O pecuarista deve comunicar a imunização ao Indea até dia 10 de junho. Quem não respeitar o calendário de vacinação pode ser multado. Os valores podem chegar a 2,25 Unidades de Padrão Fiscal (UPFs) por cabeça não vacinada, o que representa R$ 240,14. Aqueles que vacinarem, mas não comunicarem ao órgão estadual, serão impedidos de transportar os animais pelo dobro do tempo de atraso na comunicação.


Fonte: Diário de Cuiabá

0 comentários

Postar um comentário