quarta-feira, 30 de abril de 2014

Instituto Mineiro de Agropecuária torna obrigatório cadastro dos viveiros de videira


O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), considerando a necessidade de proteger as áreas de produção de uva em Minas Gerais da pragaXanthomonas campestris pv. viticola, agente causal do Cancro Bacteriano da Videira, tornou obrigatório o cadastro dos viveiros de produção de mudas de videira, através da Portaria 1402, publicada no Diário Oficial, no dia 29 de abril de 2014.

O diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, explica que o principal veículo de disseminação de pragas ocorre pelo trânsito e o comércio de vegetais, seus produtos e subprodutos. “Por isso, é importante o cadastro dos viveiros, com identificação do destino das mudas, tanto para plantio próprio como para comércio. No caso de mudas produzidas para plantio próprio, o produtor deverá apresentar ao IMA declaração comprobatória para essa finalidade”, afirma.

A produção de uva e de materiais de propagação (mudas e demais estruturas vegetais) da videira somente será permitida se submetida ao processo de certificação fitossanitária de origem em relação à praga causadora do Cancro Bacteriano da Videira. Já a entrada, o comércio e o trânsito em território mineiro, de materiais de propagação (mudas e demais estruturas vegetais) e frutos da videira serão permitidos mediante apresentação da Permissão de Trânsito Vegetal (PTV), fundamentada no Certificado Fitossanitário de Origem (CFO) e Certificado Fitossanitário de Origem Consolidado (CFOC).

Os produtores deverão impedir a entrada na propriedade localizada em município sem ocorrência da praga, de pessoas e equipamentos provenientes de municípios com ocorrência da praga, sem as devidas medidas profiláticas; realizar podas nos meses de menores índices pluviométricos, para as variedades mais suscetíveis; desinfestação, após cada utilização, de equipamentos, de ferramentas para poda e de material de colheita, com produtos sanitizantes recomendados pela pesquisa e eliminação de todo o material resultante das podas, por meio de enterrio ou queima, para as variedades mais suscetíveis e sintomáticas.

É função do IMA realizar levantamentos de detecção a cada ciclo produtivo nas áreas com variedades mais suscetíveis e no período de condições ambientais favoráveis a ocorrência da praga. Além disso, deverá coletar e enviar o material com sintomas para diagnóstico laboratorial. Caso seja confirmado o Cancro Bacteriano da Videira serão tomadas as medidas cabíveis. O descumprimento das medidas de proteção contra a praga implica em apreensão e destruição do produto.

Fonte: Agência Minas

0 comentários

Postar um comentário