sábado, 22 de março de 2014

Goiás passa a integrar Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal


O Ministério da Agricultura confirmou hoje a adesão de Goiás como integrante do Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal. O objetivo do Sisbi é padronizar e harmonizar os procedimentos de inspeção para garantir a inocuidade e segurança alimentar. A Agência Goiana de Defesa Agropecuária solicitou a adesão e habilitação a esse sistema por entender que tanto a instituição como os estabelecimentos por ela indicados atendem os requisitos para a obtenção da equivalência de serviços. Goiás passa a ser o oitavo da Federação a integrar o sistema.

Uma equipe do Ministério da Agricultura esteve em visita à Agência para auditar os requisitos e procedimentos praticados pelo serviço de inspeção estadual em relação à infraestrutura administrativa, inocuidade dos produtos de origem animal, qualidade dos produtos de origem animal, prevenção e combate à fraude econômica e controle ambiental. A equipe ainda auditou seis estabelecimentos com selo de inspeção estadual, acompanhada por inspetores da Agrodefesa para verificar os requisitos relacionados à segurança dos produtos baseada nas normas específicas relativas às condições das instalações, equipamentos e programas de autocontrole definidas pela legislação estadual.

A principal vantagem do Sisbi para as indústrias credenciadas e com Selo de Inspeção Estadual é a possibilidade de comercializar seus produtos em qualquer parte do Brasil, ampliando um mercado antes restrito aos limites do Estado de Goiás. O Mapa criou um selo diferenciado para a rotulagem dos produtos oriundos dos estabelecimentos que integram esse sistema. A mudança favorece a competitividade, o aumento no volume de produção e comercialização e ainda gera mais empregos e impostos para o Estado.

Outra vantagem apontada pelo gerente de Inspeção da Agrodefesa, Eurípedes Amorim, que acompanhou a equipe de auditores do Mapa, trata da garantia da qualidade do produto da fazenda à mesa do consumidor, já que a rastreabilidade fica mais eficiente. “O principal não é só esses estabelecimentos venderem para fora, mas é apresentar um serviço único, equivalente e que atende às exigências sanitárias fundamentais para a saúde das pessoas. Daí a importância de todo o setor estar inserido no Sisbi”, reforça.

Competência

Fernando Fagundes Fernandes, fiscal federal agropecuário que coordenou a auditoria, falou sobre o parecer favorável a Goiás. “Houve uma evolução nos serviços de inspeção da Agrodefesa”, destacou. Segundo o fiscal, até a próxima semana deverá ser publicada a portaria que oficializa a participação de Goiás no Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal. “A partir de agora, anualmente avaliaremos a conformidade de atuação da Agrodefesa e o órgão, por sua vez, as boas práticas de fabricação e transporte nesses estabelecimentos”, completou.

Após a adesão e a oficialização, a Agrodefesa passa a ter a prerrogativa de indicar outros estabelecimentos sem a necessidade da presença de um fiscal do Ministério, ficando a própria agência apta a validar a situação de cada frigorífico, laticínio e outros que solicitarem a integração ao Sisbi. Essa autonomia favorecerá a participação de mais empresas.

Entre os estabelecimentos goianos submetidos à auditoria do Mapa por indicação da Agrodefesa estão FrigoInd, de Itauçu; Boa Cria Piscicultura, em Bonfinópolis, ambas de processamento de pescados; Cava Alimentos Ltda, Asa Alimentos (Bonasa), de produtos em conserva, e Sol Nascente, sendo as três localizadas em Goiânia, e Quality Laticínios, em Gameleira de Goiás. Todos já demonstram otimismo com a possibilidade de novos negócios e as perspectivas econômicas futuras.

Possibilidades

O empresário Carlos Antônio Pinto de Almeida, do FrigoInd, em Itauçu, registrado na Agrodefesa como Entreposto de Pescados há sete anos, comemora a possibilidade de ampliação de suas atividades, a partir de agora. “Nossa expectativa é saltar de uma produção de três toneladas/semana para oito toneladas; ampliar nosso faturamento de R$ 6 milhões para R$ 15 milhões por ano e ainda gerar o dobro de empregos, passando dos atuais 25 para 50 vagas a partir de janeiro do ano que vem”, destaca Carlos.

De olho em mercados como do Distrito Federal, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e parte do Maranhão, estão sendo investidos R$ 600 mil em modernização das instalações para atender aos requisitos do SISBI. “Parabenizo a Agrodefesa por mais essa iniciativa de fortalecer a economia local”, finaliza Carlos.

Conhecida como Casa do Cordeiro, a Cava Alimentos tem unidades na capital e em Jussara e processa, além da carne de carneiro, a bovina, bubalina, suína e de aves. A empresa importa carnes de países do Mercosul e Austrália. “A adesão do Estado ao Sisbi vai facilitar a expansão dos nossos negócios para outros Estados, uma vez que em Goiás já conquistamos nosso espaço”, comemoram os sócios André Marchesi e Alexandre Marchesi.

André adianta que tão logo o processo esteja concluído na empresa sediada em Goiânia, a unidade de Jussara também será auditada. “O município é um polo da pecuária leiteira, mas carente de inspeções dessa natureza e que diferenciam o nosso negócio”, comenta. O empresário acrescenta que há um ano e meio os procedimentos vêm sendo aperfeiçoados para atender aos requisitos do Sistema.

O Quality, laticínio referência em leite tipo A e coalhada, no Centro-Oeste, é outra empresa localizada no Estado que passa a integrar o Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal. O pecuarista Agostinho Sebastião Pedrosa acredita que haverá um impulso dos negócios a partir do selo do Sisbi nos produtos. A habilitação para vender o leite e a coalhada em todo o território nacional anima o empresário, que está focado, inicialmente, nos mercados do Distrito Federal, de Minas Gerais, região do Triângulo Mineiro e ainda nos estados do Norte.

“A expectativa de crescimento é grande, esperamos dobrar nosso faturamento”, completa Agostinho. Ele aposta que os próximos lotes de embalagens já virão impressos com o selo. Também reconhece o empenho do Estado de Goiás a favor do agronegócio.

Para o presidente da Agrodefesa, Antenor Nogueira, a habilitação de Goiás no SISB vem de encontro ao pensamento do Governo de Goiás de fomentar o desenvolvimento econômico do Estado. Essa integração vai permitir o crescimento da indústria e, consequentemente, o aumento do número de empregos e elevação do PIB, disse ele. Por isso Nogueira parabeniza os técnicos da área de inspeção pelo trabalho que permitiu a inserção definitiva de Goiás no Sistema. “ Foi a modernização do serviço de defesa e de inspeção que deram ao estado a possibilidade de ter esse reconhecimento do Ministério da Agricultura,” conclui. Agecom

Mais informações: (62) 3201-3533

Fonte: Governo de Goiás

0 comentários

Postar um comentário