quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Alertas de Mercado: Algodão, Milho e Trigo



Algodão

Os preços da pluma têm registrado ligeiras quedas no mercado brasileiro, de acordo com levantamentos do Cepea. Entre 4 e 11 de fevereiro, o Indicador CEPEA/ESALQ com pagamento em 8 dias caiu 0,44%, fechando a R$ 2,2896/lp nessa terça-feira, 11. Agentes de indústrias, um pouco mais abastecidos, têm se retraído do mercado e, dessa forma, relutaram em aceitar os preços pedidos pelos cotonicultores. Vendedores, por outro lado, estão firmes nos preços pedidos. 

Esses produtores, conforme informações do Cepea, estão com as atenções voltadas à colheita de soja e/ou às atividades de cultivo e manejo do algodão. Quanto aos embarques da pluma, segundo dados preliminares da Secex, em janeiro/14, o volume foi 52,7% menor que o de dezembro/13, totalizando apenas 21,4 mil toneladas. Em comparação a janeiro/13, a queda é ainda maior, de 67%.

Milho

As altas temperaturas e o clima seco em parte de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Paraná têm reduzido o ritmo de plantio da segunda safra de milho, segundo informações do Cepea. Esse cenário, combinado às altas nos preços externos e à valorização do dólar frente ao Real, tem elevado as cotações domésticas na média das regiões acompanhadas pelo Cepea. 

De modo geral, ainda há incertezas quanto ao impacto do clima sobre a temporada brasileira. Entre 31 de janeiro e 10 de fevereiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa, referente à região de Campinas (SP), reagiu fortes 6,45%, fechando a R$ 28,37/saca de 60 kg ontem. Se considerados os negócios também em Campinas, mas cujos prazos de pagamento são descontados pela taxa de desconto NPR, o preço médio à vista foi de R$ 27,96/sc de 60 kg na segunda, com expressiva alta de 6,6% na parcial de fevereiro.

Trigo

Os primeiros lotes de trigo argentino começam a entrar no mercado brasileiro, ainda que de forma tímida. Com isso, de acordo com pesquisadores do Cepea, as compras do cereal nacional seguem bastante limitadas, o que continua pressionando os valores no Brasil. No mercado dos derivados, a liberação das exportações de trigo argentino alivia o mercado, mas também preocupa. 

Segundo colaboradores do Cepea, as cotações internas das farinhas já estão mais fracas e a entrada do produto argentino deve intensificar o movimento de queda.

Fonte: Cepea – www.cepea.esalq.usp.br 

0 comentários

Postar um comentário