quarta-feira, 26 de junho de 2013

AgriMinas 8ª Feira da Agricultura Familiar de Minas Gerais



http://www.fetaemg.org.br/agriminas2013/

O Brasil sempre se destacou no cenário nacional pela sua grande capacidade como produtor de alimentos. O que boa parte da população desconhece é que essa produção está ancorada na agricultura familiar, que, apesar de ser um segmento antigo, até há pouco tempo, caminhou em passos tímidos. Nos dias atuais, com subsídios e incentivos do Governo, o segmento está sendo reformulado e em franco crescimento. O que servia apenas para subsistência da família tornou-se uma opção de negócios, gerando renda, emprego e abrindo novos mercados para pequenos e médios agricultores.

O setor já é responsável por mais de 70% dos empregos gerados no campo, contribuindo para a diminuição do êxodo rural, o que permite que as famílias se fixem no campo com mais qualidade de vida. A estrutura segue um sistema simples, com a administração e a mão-de-obra a cargo dos membros da família, tendo uma unidade de produção e consumo. As práticas produtivas visam à preservação do meio ambiente, com diversificação de cultivos e processos mais artesanais, sem o uso de agrotóxicos ou conservantes. Isso faz com que os alimentos que chegam às nossas mesas tenham mais qualidade e sanidade. Alguns produtos como mandioca, feijão e milho, por exemplo, já representam mais de 50% da produção advinda da agricultura familiar.

Minas Gerais tem um papel de grande destaque no cenário nacional. Ele representa o segundo Estado com maior concentração de estabelecimentos familiares produtivos, no total de 10%, perdendo apenas para Bahia (15%). Além disso, Minas conta com uma variedade de produtos como milho, doces, cachaças, leite e seus derivados, que já são tradicionais no mercado, e outros que já começam a ganhar representatividade como o arroz, café, mandioca e derivados. A horticultura também começa a mostrar sua força, abastecendo desde pequenos mercados a grandes distribuidores como o Ceasa.

Todo esse crescimento da agricultura familiar mineira e nacional se deve principalmente a projetos de incentivo do governo, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Essas ações auxiliam a ampliação do cultivo e a compra dos produtos de famílias agricultoras. Temos que comemorar os incentivos que o setor vem recebendo. No entanto, há muito ainda a ser feito. É preciso definir estratégias de desenvolvimento rural que priorizem o fortalecimento e a expansão das cadeias produtivas; criar sistemas de organização e armazenamento da produção, utilizando novas tecnologias e auxiliando os agricultores nas suas atividades rotineiras; além de melhoria das estradas, que são as formas de escoamento da produção.

Outro fator importantíssimo é a divulgação desses produtos para o mercado consumidor. Precisamos incentivar os eventos que dão destaque e possibilitem a esses pequenos produtores divulgar a qualidade e diferenciais de seus produtos em relação à produção em grande escala. A divulgação é a melhor forma de conquistar novos mercados, possibilitando que os produtos extrapolem fronteiras. Pensando nisso, é que a Fetaemg, numa ação pioneira no Estado, vem realizando a cada ano a Feira de Agricultura Familiar de Minas Gerais (AgriMinas). E já nesta sexta edição, reafirmamos o potencial da nossa Feira como importante evento para o fomento das atividades do setor e principalmente, para a abertura de novos mercados para os produtos da agricultura familiar mineira.

* Presidente da Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg)

0 comentários

Postar um comentário