quinta-feira, 2 de maio de 2013

Minas Gerais continua livre de Peste Suína Clássica


Foram realizadas colheitas de 1.346 amostras de soro além da avaliação clinico-epidemiológica da população suína


Os plantéis mineiros continuam classificados com o status livre da Peste Suína Clássica (PSC), desde 2001. É o que mostra o inquérito soro epidemiológico realizado no final de 2012 em todo o Estado e divulgado pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) no final de abril. Todas as 20 Coordenadorias Regionais do IMA participaram do inquérito. Foram realizadas colheitas de 1.346 amostras de soro além da avaliação clinico-epidemiológica da população suína de 320 criatórios de subsistência. Todos os resultados para Peste Suína Clássica deram negativo, confirmando a ausência de circulação viral no Estado.

O diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, explica que a importância do monitoramento. “A sorologia é necessária para mantermos a condição epidemiológica do plantel suíno. O monitoramento constante tem como objetivo impedir o ingresso da doença, possibilitando um controle eficaz. Qualquer estado que apresente a incidência da Peste Suína Clássica compromete toda importação da carne desses animais no país. Por isso, é muito importante comprovar a inexistência da circulação do vírus”, finalizou. Atualmente, Minas Gerais é o 4º maior produtor de suínos do Brasil.

O inquérito é realizado a cada dois anos seguindo exigências do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), visa comprovar a ausência de atividade do vírus da PSC para a manutenção do status sanitário de zona livre da enfermidade. São 14 os estados, além do Distrito Federal, que integram a zona livre de Peste Suína Clássica. São eles: Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Peste Suína Clássica

A Peste Suína Clássica (também conhecida como febre suína ou cólera dos porcos) é uma enfermidade contagiosa causada por vírus e muitas vezes fatal aos suínos. A doença é grave e causa sérios prejuízos por sua frequência, facilidade de disseminação e alto índice de mortalidade.

Os principais sintomas são: depressão e febre alta, hemorragias, regiões avermelhadas, entre outras. Além disso, muitas vezes está diretamente relacionada a distúrbios reprodutivos desses animais. A médica veterinária responsável em Minas Gerias pelo Programa de Sanidade Suídea, Junia Mafra, explica que o estado possui um Sistema de Vigilância contínuo para PSC que é de declaração obrigatória conforme a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE).

Os 212 Escritórios Seccionais do IMA no estado realizam o monitoramento em granjas e as ações de rotina do serviço veterinário oficial, contribuindo com o sistema de vigilância sanitária brasileiro para a PSC na zona livre da doença. Maiores informações procure a unidade do IMA mais próximo.

Fonte: Agência Minas

0 comentários

Postar um comentário