domingo, 19 de maio de 2013

IAPAR: Livro ensina a preparar silagem de qualidade para o gado de leite


É possível obter uma alimentação bovina eficiente, que melhore a qualidade do leite sem onerar o custo de produção? Sim, é possível. Os procedimentos técnicos para chegar a esse resultado – e para resolver outras dúvidas dos produtores – podem ser encontrados na publicação “Silagem de Milho na Atividade Leiteira do Sudoeste do Paraná”, que está sendo lançada pelo Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) e pode ser adquirida aqui, ao custo de R$ 10. 

A orientação vai “do manejo de solo e seus nutrientes à ensilagem de planta inteira e grãos úmidos”, conforme indica o título da obra. O livro, de 125 páginas, é parte de um projeto coordenado pela pesquisadora Norma Kiyota, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), e visa oferecer orientações abrangente e didática a produtores e técnicos ligados à produção leiteira.

“O livro resulta de pesquisas feitas pelos autores, conjugadas com a produção técnico-científica já existente, para oferecer um material que trata o tema como um todo”, explica Norma. Assim, o material foi elaborado por pesquisadores de três diferentes áreas: socioeconomia, solos e produção animal. São autores os pesquisadores do Iapar Norma Kiyota, Renato Yagi, Simony Marta Bernardo Lugão, Vanderlei Bett, Jonez Fidalski e José Antonio Cogo Lançanova, juntamente com o médico-veterinário José Antonio Nunes Vieira e o engenheiro-agrônomo Valério Moro, ambos da Emater-PR.

A publicação é direcionada para as condições encontradas nas unidade de produção leiteira do Sudoeste do Paraná, considerando: fatores socieconômicos (como estrato fundiário, agricultura familiar; condições de investimento, e condições de solo e clima (favoráveis à produção de milho) e ainda as condições tecnológicas (para produção de leite a pasto). No primeiro capítulo é colocada a importância do manejo e nutrição do solo para a manutenção da sua fertilidade e para a produção de uma silagem de qualidade. Nos outros capítulos são apontados os meios para se obter silagem, de qualidade, com aplicação das técnicas de utilização de plantas inteiras ou os grãos úmidos de milho.

ESTÁ NO LIVRO 1 – A silagem de grão de milho úmido é utilizada apenas na suinocultura. Pouco difundida entre os produtores de leite, essa técnica, entre outras vantagens, reduz os custos da alimentação animal, principalmente nos concentrados para gado leiteiro composto por quase 70% de milho. Além disso, a silagem de grãos de milho úmido é uma opção para resolver problemas de armazenamento de grãos nas propriedades, onde geralmente ocorrem grandes perdas em qualidade e quantidade por causa do ataque de insetos, roedores e fungos. Este tipo de silagem (grão de milho úmido) é uma forma simples e de baixo custo, segundo os pesquisadores, para armazenar fontes energéticas para alimentação animal na propriedade.

ESTÁ NO LIVRO 2
– O livro “Silagem de Milho na Atividade Leiteira” é o que se pode chamar de publicação completa sobre um assunto específico e relativamente desconhecido da maioria dos produtores e técnicos. Seus três capítulos (“Manejo e fertilidade do solo para o cultivo de milho silagem no Sudoeste”; “Silagem de milho de planta inteira” e “Silagem de grãos úmidos de milho”) abordam cerca de 50 itens do tema.

No primeiro capítulo, orienta sobre a escolha da área (“gleba”) para plantio do milho. Como questão de honra para o IAPAR, aborda o planejamento conservacionista; manejo do solo e da água; sistema de plantio direto; nutrição mineral de plantas e fertilidade química do solo; amostragem e análise de solo e outras. O segundo capítulo trata de um conhecimento novo para os produtores (“silagem de milho de planta inteira”) e, entre outros pontos, aborda: processo de fermentação, tecnologia de ensilagem e composição desse tipo de silagem.

O tamanho e dimensionamento do silo é item que está presente em todos os capítulos. No terceiro capítulo (“silagem de grãos úmidos de milho”) são apresentadas as vantagens e desvantagem dessa técnica. Outros conteúdos são as tecnologias de ensilagem; a estabilidade aeróbica da silagem; a composição da silagem de grãos úmidos e os patógenos em grãos úmidos.

IMPORTÂNCIA DO AMIDO – A dieta de vacas leiteiras de alta produção é formada por 25 a 30% de amido. A melhora no aproveitamento dessa fonte de comida reflete rapidamente na produção leiteira. O aumento na produção leiteira com utilização de silagem de grão de milho úmido dá-se pela melhoria na digestibilidade do amido, com aumento na eficiência da energia (ácidos graxos voláteis), assim como do nitrogênio disponível no rúmen, aumentando a produção de proteína microbiana.

AGRICULTURA FAMILIAR – A atividade leiteira é boa opção para a agricultura familiar porque gera receita no curtíssimo prazo. E a produção paranaense de leite é garantida por propriedades com menos de 50 hectares. A agricultura familiar é responsável por quase 85% do total de leite produzido no Paraná. Utilizando a base de dados do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) em 2011, o valor da produção do leite no Paraná, em 2009 chegou ao seguinte número: 2.003.681.000,00.

“A produção de leite no Paraná é predominante nos estabelecimentos com até 50 ha, estrato no qual enquadram-se 85,65% dos estabelecimentos produtores de leite, com 71,99% das vacas que foram responsáveis pela produção de 67,71% da quantidade de leite produzida no ano”, diz a publicação do Iapar. Os autores observam: considerando a evolução da atividade leiteira no Paraná, a participação desses estabelecimentos (com menos de 50 hectares) na produção total de leite no estado também tende crescer.

Oswaldo Petrin (MTb 9329-SP)
Fone: 43 9184-6717
Correio eletrônico: imprensa@iapar.br
Fonte: IAPAR

0 comentários

Postar um comentário