sexta-feira, 3 de maio de 2013

Governo autoriza o aumento em 17% no preço mínimo do café


A presidente Dilma Rousseff autorizou a elevação no preço mínimo do café, mas cortou pela metade o reajuste desejado pelos produtores e pelo Ministério da Agricultura. Paralisados desde 2009, os preços do grão arábica e robusta serão reajustados a R$ 307 e R$ 180, respectivamente.


A queda de braço interna no governo gerou um impasse inédito, envolvendo a elevação do preço mínimo do café arábica, que representa 70% da produção do grão no Brasil. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) calculou que o atual preço mínimo, de R$ 261,69 por saca, estava defasado - o custo de produzir uma saca de café arábica é, hoje, de R$ 336.

Assim, o Ministério da Agricultura passou a defender elevação a R$ 340 do preço. Por outro lado, o Ministério da Fazenda afirmou que esse reajuste, de 30%, teria impacto sobre o preço do produto - algo indesejável no atual cenário de inflação. A discussão envolveu até a área técnica da Casa Civil, que conta com especialistas agrícolas. Eles passaram a defender também um reajuste menor.

Diante do impasse e da pressão dos produtores, a discussão chegou até o gabinete da presidente da República. Preocupada em elevar o preço para evitar uma crise no setor cafeeiro, mas temendo um efeito sobre o consumidor, a presidente decidiu um reajuste inferior, da ordem de 17%.

Ainda assim, defendeu o Palácio do Planalto, o preço mínimo do café arábica ficará pouco acima daquele hoje negociado no mercado - de R$ 300 a saca.

O valor do preço mínimo serve de referência na utilização dos instrumentos de apoio à comercialização e sustentação de preços por parte do governo, como os leilões públicos de opção de compra de sacas e até a formação de estoques reguladores, administrados pela Conab.

Os desencontros no governo para anunciar o preço mínimo do café preocupam agentes do setor. Originalmente, o reajuste seria anunciado na semana passada, após a reunião mensal do Conselho Monetário Nacional (CMN).

O encontro, no entanto, foi cancelado. O Estado apurou que, naquele dia, a senadora Kátia Abreu (PSD-TO), também presidente da Confederação Nacional de Agricultura (CNA), teve uma reunião com técnicos do Ministério da Fazenda e defendeu fortemente o reajuste elevado.

Impasse. A reunião, então, passou para a última segunda-feira, quando se prolongou por quase cinco horas. Terminou sem resultado.

Novo encontro do CMN foi realizado no dia seguinte, quando, após quatro horas, nenhum reajuste foi anunciado. Ontem, o assunto foi levado ao Palácio do Planalto, em reunião entre Dilma e os ministros Antônio Andrade (Agricultura) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil). Mesmo depois do encontro, o novo preço mínimo não foi anunciado oficialmente.

O analista Eduardo Carvalhaes, do escritório Carvalhaes, de Santos (SP), disse "nunca ter visto uma situação como essa". Ele defende que a transparência é fundamental para que as informações do governo brasileiro tenham credibilidade no mercado internacional.


Fonte: Estadão

0 comentários

Postar um comentário