terça-feira, 16 de abril de 2013

Paraná: Comprovação da Vacinação contra Febre Aftosa poderá ser feito pela internet


O processo de vacinação contra a febre aftosa será inovador no Paraná este ano. Pela primeira vez, pecuaristas e fornecedores dos medicamentos poderão realizar o procedimento de comprovação da vacinação pela internet, diretamente no site da Agência de Defesa Agropecuária (Adapar), ligada a Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab). A campanha será lançada no próximo dia 30, em Marechal Cândido Rondon, no Oeste do estado.

O objetivo do governo é imunizar todo o rebanho de bovinos e bubalinos, com idade de até 24 meses a partir de maio. De acordo com o governo do estado, o novo sistema atende um pedido antigo do setor. Por meio do processo, o produtor poderá registrar, pela internet, que vacinou seu rebanho. Para validar o processo basta que o revendedor da vacina também faça a comprovação da venda do produto ao criador. Caso a opção não seja o meio virtual, o pecuarista poderá utilizar os moldes tradicionais, diretamente nas unidades locais de sanidade agropecuária do estado. Ainda segundo a administração estadual,o sistema é totalmente seguro, pois possui vários códigos fontes que garantem o lançamento correto por parte do produtor e do revendedor da vacina.

4,4 milhões é o número de bovinos e bubalinos que devem ser imunizados na primeira fase da campanha de vacinação da aftosa no Paraná, voltada para animais até 24 meses.

No Paraná, é adotada a estratégia de vacinação semestral de animais com até 24 meses de idade e vacinação anual de animais com mais de 24 meses. Assim, as campanhas de vacinação têm o seguinte esquema de imunização: 
Etapa de maio: são vacinados apenas bovinos e búfalos com até 24 meses de idade
Etapa de novembro: vacinação de todos os bovinos e búfalos, de qualquer idade.
Com esta estratégia, os animais com até 24 meses são vacinados duas vezes ao ano e os acima de 24 meses, apenas uma vez.

Atualização do Cadastro

Dada a importância do cadastro de animais para a Defesa Sanitária Animal da SEAB, o Comprovante de Vacinação é também utilizado para a atualização deste cadastro. Assim, todo proprietário de bovinos e búfalos é obrigado a informar a relação de todos os animais existentes na propriedade.

Procedimentos na Campanha de Vacinação

1) A próxima Campanha de Vacinação Contra Febre Aftosa ocorre no mês de maio. A vacinação e sua comprovação são obrigatórias. A comprovação deve ser feita até o dia 31 de maio nas Unidades Veterinárias da Defesa Sanitária Animal (DSA) da SEAB.

2) Na etapa de maio é obrigatório vacinar somente os bovinos e búfalos com até 24 meses de idade, incluindo os bezerros com poucos dias de vida.

3) O produtor deve comprar a vacina nas casas agropecuárias. Ao comprar a vacina deve obter a Nota Fiscal de compra da vacina e o Comprovante de Vacinação;

4)Preencher o Comprovante de Vacinação na propriedade, relacionando corretamente a quantidade de animais existentes e de animais vacinados, por sexo e por idade. A quantidade de animais relacionada no Comprovante será cadastrada na SEAB e, portanto, deve ser exatamente igual ao existente na propriedade. Assim, o produtor deve aproveitar a vacinação para contagem dos animais e, somente depois, preencher o Comprovante de Vacinação.

5)Fazer a Comprovação da vacinação nas Unidades Veterinárias da Secretaria de Estado da Agricultura: levar as duas vias do Comprovante de vacinação e a Nota Fiscal da compra da vacina;

6)Se mais de um produtor fizer a vacinação em conjunto, deve ser preenchido um Comprovante de Vacinação para cada produtor;

7) Se o produtor tiver mais de uma propriedade, deve ser preenchido um Comprovante de Vacinação para cada uma delas.

8) Se numa mesma propriedade tiver a criação de bovinos e búfalos, preencher um comprovante para cada espécie de animal.
Qualquer dúvida, procure esclarecimento nas Unidades Veterinárias de sua região.


Recomendações

a)Sempre conservar a vacina em local resfriado, na geladeira ou caixa isotérmica com gelo; nunca expor ao sol. Somente transportar a vacina da loja agropecuária até a propriedade em caixa isotérmica com gelo.

b)Aplicar a vacina com agulhas e seringas bem limpas e desinfetadas para evitar contaminações (antes de usar, deixe a seringa e agulhas em água fervente por 10 minutos);

c)A dose a ser aplicada é de 5 ml, para todas as idades, tamanho e peso do animal

d)Aplicar a vacina na tábua do pescoço, via subcutânea ou intramuscular. Evite aplicar no posterior (“traseiro”) do animal que é região de carne nobre.

e)Comprove a vacinação o quanto antes e até, no máximo, dia 31 de maio.

f)Realizar a vacinação o quanto antes, logo no início da campanha.

g) Importante: durante a campanha de vacinação, o transporte de animais somente será autorizado após a realização da vacinação e da atualização do cadastro, tendo que aguardar o prazo previsto para movimentação, após a aplicação da vacina.

h)Transporte animais somente com a GTA - Guia de Trânsito Animal. A GTA deve ser retirada para toda movimentação de animais (entrada e saída da propriedade), mesmo quando realizada dentro do mesmo município e entre vizinhos.

Obrigatoriedade da Vacinação


A vacinação e a comprovação são obrigatórias, estando prevista em legislação estadual.
A não vacinação ou a não comprovação implica em multa de R$ 101,84 por cabeça não vacinada, além de não poder transportar seus animais para qualquer finalidade.

Outras Informações:

Febre Aftosa

Doença causada por vírus, sendo uma das mais contagiosas que atingem os bovinos, búfalos, ovinos, caprinos e suínos. Causa muita febre, feridas (aftas) na boca e nos cascos, dificultando a movimentação e alimentação dos animais, o que acarreta elevada e rápida perda de peso e queda na produção de leite, tendo como conseqüência grandes prejuízos na exploração pecuária. É altamente transmissível por animais doentes e pelas secreções e excreções destes, como saliva, urina, fezes, leite, etc.
Causa importantes perdas econômicas, principalmente pela restrição ao mercado internacional, e até mesmo ao mercado nacional, já que animais e produtos de origem animal ficam proibidos de serem comercializados para países livres ou áreas livres de febre aftosa.

Área Livre

O Paraná é uma Área Livre de Febre Aftosa Com Vacinação, reconhecida pela Organização Mundial de Saúde Animal – OIE. Encontram-se nesta mesma condição sanitária outros 14 estados, o Distrito Federal e a região centro-sul do Pará.

Como Prevenir

A forma mais eficiente, prática e barata de prevenção é através da vacinação dos bovinos e búfalos, durante as campanhas de vacinação que ocorrem a cada seis meses, sempre em maio e novembro. Na etapa de maio é obrigatória a vacinação dos bovinos e búfalos com idade até 24 meses. E na etapa de novembro, todos os bovinos e búfalos existentes na propriedade devem ser vacinados, inclusive os bezerros com poucos dias de vida.
Outra forma importante de prevenção é o controle do trânsito de animais, visando impedir que animais contaminados entrem no Estado. Por isso são feitas as fiscalizações do transporte animais.

Fonte: Gazeta do Povo e Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná

0 comentários

Postar um comentário