quinta-feira, 21 de março de 2013

Minas Gerais: Saiba como realizar a Certificação de Propriedade Rural livre de Brucelose e Tuberculose


Minas Gerais conta atualmente com 40 propriedades certificadas como livres de brucelose e tuberculose bovina. Mais 50 aguardam a certificação e 15 terão seus certificados renovados. Os números aumentam a cada ano e mostram que os produtores mineiros estão aderindo cada vez mais ao Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose Bovina (PNCEBT), coordenado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e executado pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) no Estado.


A região de maior destaque é a do Alto Paranaíba, que possui 21 fazendas certificadas, com um incremento de 62% na emissão de certificados em relação ao ano passado. O Sul de Minas também é destaque, com 14 propriedades consideradas livres da doença, seguido pela Zona da Mata, com quatro e a região do Leste de Minas (Governador Valadares) com uma propriedade.

De acordo com o diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, a certificação é importante para o produtor rural, pois atesta a qualidade e procedência dos produtos advindos da propriedade. Para ele, a expectativa é que cada vez mais estabelecimentos obtenham o título. “O certificado agrega valor e traz reconhecimento de que o produto está dentro dos padrões de qualidade, além de oferecer maior segurança alimentar”, cometa.

Como funciona

O procedimento para certificação é totalmente voluntário e o status de propriedade livre é voltado para produtores de gado de leite, enquanto o status de propriedade monitorada é válido para produção de gado de corte.

O interessado em certificar sua propriedade deve procurar o escritório do IMA ao qual pertence sua propriedade, acompanhado de médico veterinário habilitado. É preciso preencher um requerimento e a partir disso, o Instituto faz uma vistoria oficial e emite seu parecer para que se inicie o processo de certificação.

Dentre as vantagens de se possuir o certificado, com duração de um ano, está a isenção da obrigatoriedade de apresentação de atestados de realização de exames negativos de brucelose e tuberculose para transportar os animais para fora do Estado e a participação em eventos agropecuários. Além disso, é um programa que envolve todo setor produtivo do país, comunidades rurais, o setor industrial e consumidores.

Fonte: Assessoria de Comunicação do IMA

0 comentários

Postar um comentário