sábado, 23 de março de 2013

Embrapa Identificada Nova Espécie de Lagarta nas Lavouras de Algodão, Milho e Soja


Os pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) descobriram que a lagarta que vem atacando lavouras de algodão, milho e soja em diversas regiões, em especial no oeste da Bahia, não é da espécie "zea", e sim a "helicoverpa armigera", que ainda não havia sido identificada no Brasil. Os produtores baianos estimam que os prejuízos por menor produtividade e gastos no controle da praga somem R$ 1 bilhão. 

O presidente da Embrapa, Maurício Antônio Lopes, durante reunião nesta sexta-feira (22/3) no gabinete do ministro Antônio Andrade, da Agricultura, afirmou que, como se trata de uma praga nova, a "helicoverpa armigera" será enquadrada na classificação de quarentenária A1. A classificação enquadra as pragas exóticas, não presentes no País, que podem causar importantes danos econômicos.

A hipótese mais provável apontada pela Embrapa é que a lagarta ingressou no Brasil por meio de importação de flores e outros materiais de propagação vegetativa.

Segundo a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), na reunião desta manhã o ministro Antônio Andrade garantiu que, a partir da classificação da praga, o governo vai liberar, em caráter emergencial, a importação e o uso de inseticidas à base do princípio ativo benzoato ememectina, reconhecidamente eficaz no combate à lagarta e utilizados em países como Austrália, Estados Unidos e Japão, bem como em toda a União Europeia e na África.

Gilson Pinesso, presidente da Abrapa, observa que a liberação dos inseticidas vai auxiliar o produtor, mas é preciso precaução com a safra 2013/2014. "Usar o produto agora vai ajudar o produtor a terminar a safra com mais segurança, mas é preciso pensar na liberação dele para o início da próxima, para não corrermos o risco de enfrentar tudo novamente", disse, acrescentando que o ministro Antônio Andrade prometeu que a portaria será publicada na segunda-feira (25/3).

Pinesso afirmou que a Embrapa irá promover debates para a criação de um programa de manejo integrado da praga, com vistas a evitar a proliferação.

Pinesso também apresentou outras demandas dos cotonicultores ao novo ministro, principalmente a proposta de reajuste do preço mínimo de garantia. Ele lembra que o setor está há dez anos sem reajuste para o valor mínimo do algodão. "Acreditamos que com um preço mínimo de R$ 63 por arroba, que é o que estamos pedindo, o produtor voltará a se sentir incentivado a plantar", afirmou o presidente da Abrapa.

Fonte:Estadão

0 comentários

Postar um comentário