quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Embrapa: estudo inédito de bactéria para controle de parasitas na pecuária


O pós-doutorado de uma das pesquisadoras da Embrapa Pecuária Sudeste (São Carlos, SP) nos Estados Unidos colocará a Embrapa entre as instituições pioneiras no Brasil nos estudos de controle biológico por meio de bactérias e insetos que se relacionam por simbiose, especialmente as bactérias do gênero Wolbachia.

Esses organismos infectam alguns dos principais parasitas dos animais ruminantes, como a mosca-dos-chifres, a mosca-das-bicheiras e os carrapatos de bovinos. Nos Estados Unidos, a pesquisadora Lea Chapaval irá estudar a infestação de mosquitos da malária por Wolbachia, foco do trabalho de sua orientadora, a cientista Sara Lustigman, Ph.D. em parasitologia molecular. Segundo Lea, o objetivo é trazer as técnicas utilizadas lá e adaptá-las para carrapatos e moscas no Brasil.

Com essa caracterização inicial será possível identificar no futuro linhagens promissoras de Wolbachia para o controle de parasitas na pecuária e definir novas estratégias de controle integrado. Durante três meses, a partir de fevereiro, a pesquisadora será orientada por Sara em uma parceira entre o The Johns Hopkins Hospital e o New York Blood Center (Centro de Sangue de Nova York).

Fundado em 1889, o Johns Hopkins é um dos hospitais mais renomados nos EUA, e foi pioneiro na combinação de atendimento a pacientes, pesquisa e ensino. A identificação da relação entre a Wolbachia e o parasita pode contribuir para o desenvolvimento de novas estratégias de controle parasitário que minimizem a utilização de pesticidas nos sistemas pecuários de produção. Garantindo, assim, alimentos mais seguros para a população, com menos resíduos, e diminuindo as barreiras sanitárias determinadas pela presença de contaminantes pesticidas nos alimentos de origem animal.

Apesar de possuir o maior rebanho comercial do mundo, com mais de 200 milhões de cabeças de gado, o Brasil enfrenta problemas de aceitação de sua carne em outros países, principalmente por fatores ligados à sanidade dos animais. "A presença de endo e ectoparasitas está ligada ao menor ganho ou à perda de peso, além da predisposição a outras doenças. Tudo isso gera perdas econômicas, que podem ser evitados com o controle de verminoses", afirma Lea.

Larissa Morais ( MTb/SP 48218)
Embrapa Pecuária Sudeste
Fone: (16) 3411-5625
larissa.morais@embrapa.br

1 comentários

Paullo Portell 22 de abril de 2016 19:36

Gostei muito dessa ideia do uso da Wolbackia, usarei uma ideia parecida para iniciação científica.

Postar um comentário