sexta-feira, 9 de novembro de 2012

"immunocrit" : novo método para ajudar a reduzir a mortalidade de leitões


Para ajudar a aumentar a sobrevivência de leitões recém-nascidos, cientistas do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) desenvolveram um novo método que prevê a mortalidade dos animais e habilidades de enfermagem.

O fisiologista Jeffrey Vallet e seus colegas do Agricultural Research Service Roman L. Hruska U.S. Meat Animal Research Center chama a técnica de medição de "immunocrit". Ela determina se os leitões pré-desmame receberam colostro em quantidade adequada da matriz suína. O "mmunocrit" também mede a imunoglobulina do leitão recém-nascido através de amostras de sangue. Estas medições indicam a mortalidade dos leitões e os procedimentos veterinários realizados, de acordo com Vallet.

Além disso, os cientistas descobriram uma conexão entre as medidas "peso x mortalidade" dos leitões. "Os animais mais pesados são mais propensos a sobreviver no caso de não terem acesso ao colostro dentro do prazo crítico, ao contrário daqueles que pesam menos", disseram os pesquisadores.

Como os resultados dos testes são obtidos tão rapidamente, é possível identificar leitões comprometidos, enquanto eles ainda estão vivos, de acordo com Vallet. O "immunocrit" reconhece leitões dentro de uma ninhada que não tenha comido ou teve a chance de serem medicados. Isso dá uma oportunidade para salvar leitões em risco por meio de estratégias de intervenção. Com informações do site Watt.


Fonte: Redação Suinocultura Industrial

0 comentários

Postar um comentário