terça-feira, 16 de outubro de 2012

Mapa reforçará as ações de controle da mosca-da-carambola


O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) reforçará as ações de controle da mosca-da-carambola, praga que atinge principalmente as frutas. Com a medida, o Mapa projeta conter a praga no Amapá, erradicar em Roraima, além de declarar o status sanitário do Pará como livre do problema. Só em 2012 foram destinados R$ 4,5 milhões por meio do Programa de Erradicação da Mosca-da-Carambola para o cumprimento das metas.

Segundo coordenadora do Programa de Erradicação da Mosca-da-Carambola do Mapa, Maria Júlia Godoy, os recursos são utilizados para o monitoramento da praga, capacitação de profissionais, projetos de educação sanitária, implantação de planos de emergência e divulgação do programa. Desde 1996, os técnicos do ministério desenvolvem medidas em parceria com os profissionais das Agências de Defesa Agropecuária estaduais para controlar a praga.

As áreas consideradas de alto risco para a disseminação da mosca-da-carambola são: Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará e Roraima. Na zona de risco médio estão: Acre, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Tocantins. Os demais estados estão classificados como de baixo risco. As principais formas de disseminação são o transporte de frutos contaminados e os locais de comercialização desses produtos.

Saiba mais:

A mosca-da-carambola é originária da Malásia e Indonésia e foi encontrada no Suriname em 1985. Chegou à Guiana Francesa em 1989 e, em 1996, surgiu o primeiro foco no Brasil, no município de Oiapoque, no Amapá. Em 2007, a praga apareceu na fronteira do Amapá com o Pará, mas foi erradicada no estado em 2008. O ciclo de vida da mosca é de 126 dias.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação
(61) 3218 3088
Mônica Bidese
monica.bidese@agricultura.go.br

0 comentários

Postar um comentário