quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Febre Aftosa: Novas regras param fábricas de vacinas


As novas exigências de biossegurança adotadas em março pelo Ministério da Agricultura já provocaram a paralisação de duas das principais fábricas de vacinas contra febre aftosa do país. Às vésperas da realização da segunda etapa de vacinação na maior parte dos Estados brasileiros, a medida não desabastecerá o mercado, que trabalha com excesso de capacidade instalada. Mas afeta as maiores empresas do segmento, que podem levar mais tempo para recompor estoques.

Por determinação dos técnicos do Departamento de Fiscalização de Insumos Pecuários, a unidade da Merial em Paulínia (SP) parou para manutenção entre maio e agosto e só retomou as atividades no início deste mês. Com capacidade para produzir cerca de 120 milhões de doses por ano, a Merial precisou segregar os sistemas de ventilação das áreas de produção, controle e envase do vírus, conforme preconiza a Instrução Normativa nº 5, que atualizou os parâmetros de biossegurança.

Mas o caso mais problemático é o da MSD Saúde Animal, braço veterinário da farmacêutica americana Merck. O Valor apurou a que multinacional cogita até abandonar a produção de vacinas contra aftosa no país. A unidade da companhia em Fortaleza, a maior do gênero no país, com capacidade para produzir 140 milhões de doses por ano, teve as operações suspensas pelo ministério em junho.

"Até agora eles não apresentaram nenhuma medida corretiva ou cronograma de adequação", afirmou Egon Vieira da Silva, chefe da Divisão de Produtos Biológicos do Departamento de Fiscalização de Insumos Pecuários do Ministério da Agricultura.

Segundo ele, a fábrica só poderá voltar a funcionar quando a empresa resolver os problemas da chamada "área biocontida", responsável pelo processo de inativação do vírus - o antígeno é "morto", mas mantém a capacidade imunológica. "Essa planta tem um problema no armazenamento de antígeno e precisamos evitar o risco de contaminação cruzada". Procurada, a MSD informou que a área está suspensa para "se adequar à Instrução Normativa nº 5", e garantiu que não há riscos de vazamento ou contaminação".

Apesar de a MSD ressaltar seu interesse em permanecer no mercado - a aftosa representa cerca de um quinto do faturamento do segmento veterinário no Brasil -, o Valor apurou que a empresa considera que os custos para a adequação da fábrica de Fortaleza são elevados. Caso a MSD decida abandonar a produção própria de vacinas contra aftosa, uma das opções pode ser comprar o produto de terceiros, como faz a multinacional americana Pfizer, que compra as vacinas da Vallée.

Mas a decisão da MSD precisa sair o quanto antes. A empresa só tem estoques para atender à segunda etapa de vacinação deste ano, que acontece principalmente em novembro, e a primeira de 2013. Emílio Salani, diretor de operações do Sindan, entidade que representa as indústrias de saúde animal, disse que as vacinas precisam ser aprovadas pelo Ministério da Agricultura antes de serem vendidas, o que acaba por reduzir o prazo de validade para 14 meses. As vacinas, de modo geral, duram apenas duas etapas de vacinação, segundo o diretor do Sindan. "Se estiver parada, provavelmente o prazo das vacinas da MSD irão caducar em novembro de 2013", disse.

Ao todo, o parque fabril nacional tem capacidade instalada para produzir 580 milhões de doses da vacina contra aftosa. A demanda anual para as duas etapas da campanha é de cerca de 360 milhões de doses, segundo estimativas do Sindan. "A produção líquida gira em torno de 420 milhões e 450 milhões de doses", diz Salani. Nesses cálculos, o dirigente incluiu as 40 milhões de doses do laboratório Biogénesis-Bagó, que importa a vacina da Argentina.

No Brasil, além de Merial e MSD, a brasileira Vallée tem capacidade para 140 milhões de doses em sua unidade de Montes Claros (MG). No caso da Vallée, o ministério ainda deve realizar a primeira inspeção sob as novas regras até o fim de outubro, disse Vieira da Silva, do Departamento de Fiscalização de Insumos.

Já as unidades da Inova Biotecnologia e da Ourofino não devem ter problemas com a inspeção, pois as duas fábricas foram inauguradas nos últimos anos e construídas segundo as novas exigências. O mesmo acontece com a Biovet, que ainda nem iniciou as vendas da vacina.

Fonte: Valor Econômico

0 comentários

Postar um comentário