quinta-feira, 24 de maio de 2012

Embrapa patenteia técnica que vai otimizar o desenvolvimento de plantas transgênicas


Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, a partir de duas de suas 47 unidades de pesquisa – Recursos Genéticos e Biotecnologia e Café (ambas localizadas em Brasília, DF) – patenteou uma técnica que promete aprimorar e agilizar o desenvolvimento de plantas transgênicas no Brasil.

A patente foi depositada no INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial no dia 9 de abril de 2012 com o nome de “Composições e métodos para modificar a expressão de genes de interesse” e é resultado de um trabalho inovador liderado pela pesquisadora da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Juliana Dantas de Almeida, com a participação do chefe-geral da Unidade, Mauro Carneiro; da chefe do Departamento de Pesquisa & Desenvolvimento da Embrapa, Mirian Eira; dos também pesquisadores da Embrapa - Leila Barros, Alan Andrade, Michelle Cotta e Felipe Rodrigues - e Luiz Filipe Pereira, do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar).

A técnica se baseia no estudo de uma parte do gene, denominada promotor, que é responsável pela definição de onde, quando e em que condições as características desejadas vão se expressar na planta. O objetivo é isolar os promotores de interesse e disponibilizá-los em um catálogo de promotores para as instituições de pesquisa brasileiras. “Essa técnica pode resultar em benefícios imediatos na geração de plantas transgênicas”, explica a líder dos estudos, Juliana Dantas.

Hoje, para desenvolver uma planta transgênica os cientistas normalmente utilizam promotores constitutivos. Isso significa que o gene que foi inserido no transgênico vai se manifestar em todas as partes da planta, em todas as etapas do desenvolvimento e independentemente das condições externas.Nessa situação, a planta gasta energia produzindo excessivamente uma proteína que não é necessária na planta inteira e o tempo todo.

A nova tecnologia permite que o gene que foi inserido, se expresse apenas quando e aonde for necessário. Quando o objetivo a ser atingido é a obtenção de uma planta resistente a alguma praga, em que uma proteína tóxica ao inseto-alvo pode atingir populações de insetos que não inviabilizam a cultura essa estratégia é bastante pertinente.

No caso da broca do café, por exemplo, um pequeno besouro se instala justamente no grão do café para se reproduzir, comprometendo a produção. Um gene de resistência à broca pode ser comandado por um promotor específico de fruto como esse cujo pedido de patente acabou de ser depositado, e a proteína estará presente somente no grão. Populações de outros besouros que se alimentam nas folhas não seriam atingidas.

O objetivo a médio prazo, como afirma a pesquisadora, é chegar a um banco de promotores da Embrapa à disposição da ciência, o que ela acredita que deve acontecer em um período de cinco anos. “Esse banco, que será formado por promotores isolados e patenteados pela Embrapa, a partir de suas unidades distribuídas em todo o Brasil, vai garantir à Empresa independência tecnológica e agilidade no desenvolvimento de produtos geneticamente modificados”, destaca Dantas, lembrando que o banco vai contar com promotores específicos para todas as partes das plantas (raiz, caule, fruto etc.) e também promotores que sejam induzidos por seca e aumento de temperatura, levando em consideração aplicações de interesse para a agricultura brasileira, como resistência a pragas, tolerância à seca, altas temperaturas, aumento do valor nutricional e melhoria em propriedades organolépticas (sabor, aroma, textura).

Estudos preliminares podem impactar diretamente na melhoria da qualidade do café

A primeira fase dos estudos, que culminou com o depósito da patente no INPI, começou em 2005 e teve como base o banco de dados do Genoma Café, que conta com mais de 200 mil sequências de DNA e 30 mil genes identificados responsáveis pelos diversos mecanismos de crescimento e desenvolvimento da planta assim como genes de resposta a estresses bióticos e abióticos.

Segundo Dantas, as pesquisas foram iniciadas com a busca de promotores específicos de frutos, folhas e raízes e o resultado final, ou seja, o promotor que foi patenteado,é específico do grão do café, que é a parte utilizada pela indústria alimentícia para a produção da bebida. “Por isso, é um resultado bastante promissor para grupos que desenvolvem pesquisas em prol da melhoria da qualidade do café no Brasil”, ressalta.

Levando-se em consideração a importância desse produto para o país, que é o maior produtor mundial com 36% do mercado global e o segundo maior consumidor, atrás apenas dos EUA, a notícia é realmente animadora, pois pode auxiliar o desenvolvimento de plantas transgênicas de café com frutos de melhor qualidade e preços mais competitivos.

Estudos vão se estender a outras culturas agrícola

Mas o objetivo da equipe é estender a metodologia para outras culturas agrícolas. Por isso, um projeto envolvendo a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, a Embrapa Milho e Sorgo e a Embrapa Agroenergia já foi proposto e espera aprovação do comitê gestor da Embrapa.Esse projeto prevê o desenvolvimento de estudos com promotores de café; soja; cana-de-açúcar e milheto. ; milho; tomate e soja, entre outras.

Para Dantas, transgênicos e orgânicos deveriam andar de mãos dadas. Plantas transgênicas mais adaptadas às condições ambientais poupam a utilização de agrotóxicos e insumos, dispensam o desmatamento de áreas ecologicamente importantes e acabam por gerar alimentos mais baratos e mais saudáveis tanto do ponto de vista ambiental quanto populacional

Fernanda Diniz (MTb 4685/89/DF)Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia
Fones: (61) 3448-4769 e 3340-3672

0 comentários

Postar um comentário