quarta-feira, 9 de maio de 2012

Cientistas brasileiros desvendam o genoma do Zebu Leiteiro



Menos de três anos após a divulgação do mapeamento do genoma bovino, realizado pela comunidade científica internacional, o Brasil apresenta os primeiros resultados do sequenciamento do genoma de animais de raças zebuínas para leite (Gir Leiteiro e Guzerá).

O anúncio foi feito,em Uberaba,durante a Expozebu – uma das maiores exposições pecuárias do mundo.Este é o primeiro projeto de sequenciamento de um grande genoma realizado totalmente no Brasil.

“Todos os processos foram desenvolvidos inteiramente no País e a tecnologia será capaz de gerar saltos de produtividade e de qualidade, contribuindo para o crescimento sustentável da pecuária nacional”, diz o pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Marco Antonio Machado.

“Com este trabalho, a pesquisa nacional mostra que está em sintonia com os avanços científicos mundiais e tem capacidade de responder rapidamente às demandas do setor produtivo”, diz o chefe adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Gado de Leite, Rui da Silva Verneque.


Em abril de 2009, o sequenciamento do genoma bovino foi noticiado pela revistaScience. A pesquisa envolveu cerca de 300 cientistas de todo o mundo (inclusive pesquisadores brasileiros).

O animal objeto daquele estudo foi uma vaca da raça, que pertence à subespécie Bos taurus taurus, de origem europeia, assim como as raças Holandesa, Jersey e Pardo Suíço. Os animais da Raça Gir e Guzerá são da subespécie Bos taurus indicus.


“De origem indiana, esta segunda subespécie tem grande importância econômica para o Brasil e países de clima tropical”, diz Verneque. “São animais rústicos e se adequam melhor às regiões de temperaturas mais elevadas”, explica.Por estas características, a comunidade cientifica nacional acredita ser muito importante conhecer o genoma do gado zebuíno.

“Ao descobrir quais as diferenças genéticas entre as raças europeias e indianas, poderemos subsidiar os estudos de melhoramento genético dos rebanhos zebuínos”, afirma Marcos Vinícius G. B. da Silva, também pesquisador da Embrapa Gado de Leite e coordenador do projeto. Segundo o pesquisador, “o mapeamento possibilitará o desenvolvimento de ferramentas específicas para a seleção de animais zebuínos”.

A maioria do gado bovino no Brasil é formada pelo Zebu (Nelore, Gir, Guzerá e Indubrasil) e seus mestiços com raças europeias. Segundo os pesquisadores, o genoma foi fragmentado em pequenos pedaços para a produção das sequências de DNA. Foram gerados dados que cobrem mais de 10 vezes o tamanho do genoma de cada animal, necessários para uma boa montagem da sequência.

Já foram identificadas diferenças significativas entre o genoma do Gir Leiteiro e Guzerá em relação ao gado europeu. No momento estão sendo identificados os marcadores moleculares que serão utilizados para a seleção de animais geneticamente superiores.

Na sequência dos estudos, será realizado o mapeamento das raças Sindi e da raça sintética Girolando. O trabalho é coordenado pela Embrapa Gado de Leite e envolve a Universidade Federal de Minas Gerais; a SECTES; os Polos de Excelência do Leite e Genética Bovina; Fiocruz - Instituto René Rachou, Epamig e as associações de criadores.
Fontes para contato:
Rui da Silva Verneque - chefe adjunto de Pesquisa & Desenvolvimento da Embrapa Gado de Leite: (32) 8421-7602 / (32) 9917/5558
Marco Antônio Machado – pesquisador da Embrapa Gado de Leite – (32) 9987-6008
Rubens Neiva(MTb 5445/MG)
Embrapa Gado de Leite
Tel: (32) 3311-7510 / (32) 9199-4757

0 comentários

Postar um comentário