segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Soja importada da Argentina está provocando transformações drásticas em campos brasileiros



Uma soja importada da Argentina há quatro anos está provocando transformações drásticas em campos brasileiros. Conhecida no meio rural como a soja de crescimento indeterminado, a tecnologia parece ter chegado para ficar no Brasil. Mais de dois terços da área do país estariam plantadas com essa variedade, conforme especialistas, e a tendência é que conquiste 100% do terreno nos próximos anos.

A preferência pela semente se deve ao potencial de recuperação das plantas mesmo depois de um período de seca.

“Tivemos 52 dias sem chuva aqui, que pegaram a fase de reprodução. Teoricamente os produtores não deveriam colher nada, mas no fim acredito que a média da região vai fechar em mais de 20 sacas por hectare”, relata impressionado Enoir Cristiano Pellizzaro, supervisor de campo experimental da C.Vale em Palotina (Oeste).

O técnico, que monitora diariamente as lavouras da região, revela que no ano passado a produtividade média dos produtores locais foi de 65 sacas por hectare. Na avaliação dele, 95% da área do município foi plantada com a soja de crescimento indeterminado , contra 5% em 2002/03.

Mas, não é só o Paraná que tem apostado na soja de crescimento indeterminado. No Centro-Oeste do país, os agricultores também se mostram inclinados ao cultivo da nova tecnologia. As vagens pequenas que crescem no topo das plantas podem fazer a diferença nas lavouras de José Sebastião Fernan­­des, de Itaquaraí, Mato Grosso do Sul. “A chuva chegou aos 45 minutos do segundo tempo no plantio e, com o investimento que fizemos, podemos colher 55 sacas por hectare”, estima. Ano passado Fernan­­des alcançou produtividade de 62 sacas por hectare.

O diferencial decisivo da soja indeterminada, no entanto, é que em geral têm ciclo precoce e po­­dem ser colhidas em 110 dias – duas semanas antes da soja de crescimento determinado –, facilitando o plantio do milho de inverno. A expansão dessa tecnologia mais recente deve-se ainda ao formato das plantas, que se assemelham a um pinheiro – estreitas na parte superior e mais largas na inferior.

Desta forma, a penetração dos defensivos se torna mais eficiente, atingido do topo ao pé da soja. A difusão coincidiu com o aumento das aplicações de fungicida no combate à ferrugem asiática, que surgiu no país no início da década passada e foi a principal doença das lavouras na última década.

Manobra “obrigatória”

Diante do novo perfil da safra brasileira, as instituições de pesquisa estão se vendo obrigadas a rever seus estudos e planos. “A preferência dos agricultores mudou abruptamente e nós perdemos mercado na mesma proporção”, afirma Ivo Carraro, presidente executivo da Cooperativa Central de Pesquisa Agrícola (Coodetec). Ao ver sua participação no mercado brasileiro de sementes cair a 5%, a Coodetec decidiu mudar todo o seu banco genético e busca agora reverter o quadro ampliando o portifólio.

Para a próxima safra, a Cooperativa pretende lançar pelo menos quatro novas variedades de soja. “Se continuarmos onde estamos não tem como mantermos a pesquisa viável. A nossa meta é crescer entre 1% e 2% ao ano a partir de agora”, revela Carraro.

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) também está numa encruzilhada. Só com uma participação de 20% do mercado tem como sustentar suas parcerias com a iniciativa privada, explica o dirigente Alexandre Cattelan. “Nem sempre tudo que é bom se vende”, lamenta. A empresa vem se engajando em programas que estimulam a adoção de tecnologias deixadas de lado, incluindo as de soja convencional, de crescimento determinado.

“O problema é fazer com que essas tecnologias cheguem lá [ao campo]”, assume Alexandre Cattelan.

Fonte: Gazeta do Povo/Caminhos do campo  Autor :  Cassiano Ribeiro e José Rocher, enviado especial

0 comentários

Postar um comentário