terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Famasul e CEF alinham parceria para facilitar crédito ao produtor rural




O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), Eduardo Corrêa Riedel, esteve reunido na manhã desta sexta-feira, 20, com a superintendência da Caixa Econômica Federal visando formatar parceria para oferecer opção de crédito mais acessível aos produtores rurais.

A reunião aconteceu na Casa Rural e alinhavou um convênio entra Famasul e CEF a partir da linha de crédito Aporte Caixa, abrindo mais perspectivas de aporte financeiro com garantia imobiliária.

Com taxas de juros de 1,48% ao mês mais TR para operações de até 120 meses e de 1,55%, mais TR, para operações de 121 a 180 meses, o Aporte Caixa aceita imóvel urbano ou rural como garantia, mesmo que este seja o único bem do proprietário. “A linha oferece para conveniados taxa de juros mais baixa do que a oferecida normalmente no balcão, que é de 1,69%”, afirmou o gerente regional da CEF, Márcio Nunes Fonseca. A reunião também teve a presença do gerente regional de Negócios, Cláudio Guterres Rubbo.

O limite de crédito oferecido varia de R$ 20 mil até 70% do valor de avaliação do imóvel apresentado como garantia e a operação obedece ao Sistema de Amortização Constante (SAC). Em uma simulação, um empréstimo de R$ 50 mil, tomado pelo prazo de 120 meses, terá prestação inicial de R$ 1.216,10 e final de R$ 422,96.

O mesmo valor tomado por 180 meses terá a prestação inicial de R$ 1.106,39 e a última de R$ 282,08. O montante contratado por meio dessa mesma linha de crédito no ano passado chegou a R$ 26 milhões somente em MS. A diferença para este ano é que será aceito imóvel rural como garantia.

“O produtor precisa de alternativas de crédito mais acessíveis e menos burocráticas”, enfatizou Riedel. Uma vez viabilizado, o convênio vai permitir o uso livre dos recursos, inclusive para custeio de safra.


Fonte: Famasul

1 comentários

Harley 12 de abril de 2012 15:43

Eu tenho uma pequena propriedade de 10 alqueires, posso participar desse financiamento, e no caso seria mais viável para um pequeno produtor!

Postar um comentário