sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Zoneamento agrícola prevê plantio em nove estados



O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 15 de dezembro, o zoneamento agrícola da canola para os estados do Pará, São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Goiás.

O estudo também se refere ao plantio da segunda safra de feijão no Acre e da primeira em Sergipe. Além disso, foram indicados os municípios de Alagoas e Sergipe mais propícios para o cultivo de feijão caupi, amanedoim, milho, sorgo, girassol, gergelim, mandioca, milheto e algodão herbáceo.

A canola é uma planta da família das crucíferas e é cultivada no Brasil apenas na primavera. Originária de regiões de clima temperado frio, a canola se adapta bem nas condições climáticas da Região Sul, sendo tolerante às baixas temperaturas.

O feijão caupi, o popular feijão-de-corda, é uma fonte de proteína e faz parte da alimentação básica de grande parte da população da Região Nordeste do país. O amendoim adapta-se a uma larga faixa de climas, desde os equatoriais até os temperados, não sendo indicado o cultivo em áreas muito úmidas.

Na safra 2010/2011, foram cultivados 57,2 mil hectares de milho em Alagoas, com a produção de 51,1 mil toneladas. Sergipe utilizou uma área de 221,4 mil hectares com a colheita de 928,1 mil toneladas de grãos. Sorgo, planta semelhante ao milho, é de origem tropical que exige clima quente para expressar seu potencial de produção.

O Girassol apresenta ampla capacidade de adaptação a diversos ambientes, podendo ser cultivado em climas temperados, subtropicais e tropicais. A flor tolera bem as baixas temperaturas durante a germinação. Gergelim é uma oleaginosa cujas sementes contêm cerca de 50% de óleo de excelente qualidade, utilizado no segmento agroindustrial e alimentos in natura. 

Com ampla adaptação às condições mais variadas de clima e solo, a mandioca é uma planta rústica e desenvolve-se bem em climas quentes e úmidos. O milheto é uma gramínea anual tropical com desenvolvimento uniforme e bom perfilhamento, de estrutura rústica e com grande resistência à seca. Se usada na pastagem é considerado alimento de alto valor nutritivo. 

O bom desenvolvimento do algodoeiro herbáceo tem como referência a temperatura é um dos principais fatores que influenciam no desenvolvimento. A planta de origem tropical também é explorada economicamente em países subtropicais, com latitude acima de 30º N.

Mais informações para a imprensa:
Assessoria de Comunicação Social
(61) 3218-2203 / 2204
Leilane Alves
leilane.pereira@agricultura.gov.br

0 comentários

Postar um comentário