terça-feira, 17 de maio de 2011

Diarréia Neonatal ( Bovinos )



Os bezerros que sofreram diarréia neonatal apresentam desempenho econômico inferior aos que não tiveram a infecção, isto é, as perdas nunca são recuperadas durante a vida útil do animal. Bovinos que contraíram a doença quando jovens podem ter até 6 meses de atraso na idade de abate e queda na produtividade leiteira em torno de 17% ocasionado pela "Síndrome da Má Absorção" que são muitas vezes seqüelas de uma diarréia. Além dos gastos com tratamento e risco de disseminação das infecções para os bezerros sadios.

A diarréia neonatal dos bezerros pode ser de origem alimentar ou infecciosa causada pelos seguintes agentes: Escherichia coli, Rotavírus, Coronavírus, Vírus da Diarréia Bovina (BVD), Vírus da Rinotraqueíte Infecciosa Bovina (IBR), Salmonella, Clostridium perfringens, Cryptosporidium, Eimeria e Strongyloides papillosus. Porém os microorganismos de maior incidência no primeiro mês de vida são Escherichia coli, Clostridium perfringens, Rotavírus e Coronavírus.
A contaminação dos bezerros geralmente ocorre pela via oral, a partir de material fecal contaminado. As fezes contaminadas podem ser de outros bezerros doentes ou de animais adultos apenas portadores.

O meio ambiente do recém-nascido possui muitas bactérias e vírus. No intestino, estéril ao nascer, pode haver multiplicação intensa de agentes infecciosos, tais como colibacilos, rotavírus e coronavírus. Como o bezerro nasce sem anticorpos protetores e o sistema imunitário do animal ainda não está completamente desenvolvido, muitas vezes torna-se difícil realizar um tratamento específico a tempo de curar o animal.

Os sinais clínicos são perda de apetite, amolecimento das fezes (pastosas a líquidas), fraqueza, dificuldade para mamar e desidratação. Nos casos de C. perfringens pode apresentar sintomatologia nervosa.
Embora os sinais clínicos sejam bastante semelhantes, as diarréias apresentam certas peculiaridades de acordo com o antígeno em questão, o que possibilita a alguns clínicos com experiência de campo uma melhor triagem na identificação do agente causador, mesmo em casos de infecções mistas.

Profilaxia

A medida mais eficaz é a vacinação das fêmeas no final da gestação contra as diarréias neonatais, possibilitando a imunização dos bezerros recém-nascidos via colostro. Vale lembrar que os anticorpos produzidos pela mãe não passam para o feto durante a gestação e que o colostro é a única fonte de anticorpos do bezerro ao nascer.

Além da imunização das fêmeas para a proteção do bezerro, também é de extrema importância a realização de um bom manejo para reduzir todas as fontes de contaminação da propriedade.



Fonte: Cleber Juliano Nakatani  /  Cleber Juliano Nakatani é Gerente de produtos - Linha Bovinos da Vencofarma

0 comentários

Postar um comentário