quarta-feira, 30 de março de 2011

O que é e Como se Identifica a Tuberculose Bovina



Conceituação: doença infecciosa bacteriana crônica não contagiosa caracterizada pela forma pulmonar ou localizada (linfonodos) ou mesentérica. É uma zoonose importante.

Agente etiológico: o agente da tuberculose (TB) bovina é o Mycobacterium bovis, que possui uma adaptabilidade ao hospedeiro bovino quando comparado ao M. tuberculosis e M. avium, embora possa infectar o homem.

Distribuição geográfica: a TB está muito disseminada pela maioria dos países do mundo. Nos países desenvolvidos, a prevalência é baixa ou foi quase que totalmente erradicada.
Importância econômica e saúde pública: mais importante é a queda da produção de carne e leite; a doença é classificada como zoonose e traz grandes prejuízos econômicos para os países onde ocorre.

Prevalência: nos bovinos de corte, a morbidade é mais baixa. Em bovinos de leite, a incidência aumenta com o progredir da idade, em razão do prolongado tempo de exploração econômica.

Hospedeiros: os principais hospedeiros são o bovino, o bubalino (M. bovis) e o homem (M. tuberculosis).

Fatores predisponentes: animais de raças de origem européia, rebanhos melhorados e animais estabulados.

Patogenia: a porta de entrada é a mucosa oral e a nasal. Quando a transmissão é aerógena, é comum observar lesão na porta de entrada e no aparelho respiratório. Varia quanto ao tipo e localização, como a forma miliar (consiste em lesões nodulares discretas que acometem vários órgãos). Quando da infecção oral, tem-se a doença no aparelho digestivo.

CADEIA EPIDEMIOLÓGICA

Fonte de infecção: doentes típicos, portador em incubação e portador convalescente.

Vias de eliminação:
secreção oronasal, fezes, leite, urina.
Vias de transmissão:
aerógena (poeira e gotículas de Flügge), leite, alimentos e água contaminados.
Porta de entrada:
mucosa oronasal.
Suscetíveis:
bovinos, bubalinos, suínos, caprinos, ovinos e animais domésticos de estimação (cães e gatos), animais silvestres e homem.

PROFILAXIA

Medidas relativas às fontes de infecção:
  • Bovinos e bubalinos: identificação pela tuberculinização periódica e sacrifício;
  • Homem: identificação e tratamento;
  • Outras espécies: evitar acesso aos bovinos.
Medidas relativas às vias de transmissão: disposição adequada de dejetos animais, limpeza de instalações e fômites.

Medidas relativas aos suscetíveis: medidas de promoção da saúde.

Medidas relativas aos comunicantes: quarentena e tuberculinizaçao.

Medidas gerais de profilaxia: educação sanitária para orientar os produtores na adoção das medidas de profilaxia recomendadas pelo Programa Nacional de Controle e Erradicação da Tuberculose.


Fonte:
Dra. Masaio Mizuno Ishizuka
Professora Titular Emérita da FMVZ-USP e Consultora da CATI
Med. Vet. Mirivaldo A. Fernandes Segundo
Med. Vet. Ricardo José dos Santos
Med. Vet Rodrigo Fernandes Mansano - EDR de Dracena
Med. Vet. Marianne de Oliveira Silva - Cetate

0 comentários

Postar um comentário