terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Pneumonia bovina


São vários os tipos de pneumonia em bovinos que podem ser causados por vírus, bactérias, uma combinação de ambos, verminose e fungos.
A pneumonia enzoótica dá-se em bezerros com menos de 06 (seis) meses de idade, podendo ocorrer em animais de até 1 ano. Geralmente tem ligação direta com fatores estressantes, como temperatura, lotação, desmame e transporte, que reduzem a imunidade dos animais e facilita a infecção viral e depois uma a bacteriana. O colostro é rico em anticorpos e, portanto, de grande importância para a prevenção das pneumonias, assim como as medidas de manejo adequadas para se evitar o estresse dos animais.
A pneumonia em animais adultos pode ser acompanhada por uma inflamação dos bronquíolos, resultando em broncopneumonia. As manifestações clínicas são: aumento da frequência respiratória, tosse, sons respiratórios anormais e, nos casos de infecções bacterianas, evidências de excesso de toxinas e febre. De acordo com o médico veterinário e Supervisor Técnico de Produtos da Ourofino, Jean J. Perícole, a maioria das pneumonias é adquirida pelo ar e nesse tipo de infecção é muito importante o isolamento dos animais acometidos a fim de se detectar a doença em seu estágio inicial. O tratamento com antibióticos é bastante eficaz no caso de pneumonias bacterianas e os quadros normalmente são revertidos em 24 a 48 horas.
No caso da pneumonia causada por vermes, ela deve ser diferenciada das pneumonias causadas por bactérias e vírus, pois não responde bem aos tratamentos frente a estes agentes infecciosos. Em bovinos essa doença é mais comum em animais criados a pasto, principalmente os mais jovens e de origem Européia, porém, surtos graves da forma aguda são mais comuns em animais adultos.
Segundo Perícole, os sinais incluem respiração rápida e superficial, tosse constante, secreção nasal e temperatura elevada. O animal apresenta-se ativo, contudo, mostra dificuldade em se alimentar, devido aos distúrbios respiratórios. A evolução da doença é rápida e dentro de 24 horas, a dificuldade respiratória se torna muito evidente.
Vários tipos de pneumonias dos bovinos podem ter como alguns de seus sintomas as enterites e consequentemente diarreias, como é o caso da pneumonia verminótica. Os sinais comuns são febre, falta de apetite, secreção nasal, ruídos pulmonares e diarreia.
A utilização de antibióticos de amplo espectro é muito importante para atingir os microorganismos presentes no trato respiratório e nos intestinos. Os animais mais predispostos a estas enfermidades são os comumente chamados de “europeus”, em especial aqueles utilizados na produção leiteira, como o Holandês e o Jersey.
Grandes aglomerações de animais também predispõem à ocorrência da doença, devido a um maior contato entre eles. Este fato é muito observado nos confinamentos, muito comuns nesta época do ano. Os animais que chegam para o confinamento, muitas vezes são transportados por longas distâncias, muitas vezes enfraquecidos e estressados, esta condição associada ao manejo e o clima de inverno, onde os dias são quentes e as noites frias contribuem para a ocorrência de pneumonia nos confinamentos. É possível observar grupos de animais tossindo, mais de 50% dos animais com pneumonia vão apresentar sintomas logo nos primeiros 15 dias.
O tratamento vai depender da causa da doença. Para as pneumonias de origem viral, é utilizada a vacinação do rebanho como medida preventiva. Nas bacterianas, o uso de antimicrobianos é de extrema importância, sendo os mais eficazes as penicilinas (Penfort PPU), sulfas (Trissulfin Injetável) e quinolonas (Norflomax Injetável). Na parasitária, o uso de sulfóxido de albendazol (Ricobendazole Oral) tem mostrado excelentes resultados, podendo também ser usadas as ivermectinas (Ivermectina 1% Ourofino LA e Master LP). Em casos mais graves e com comprometimento do estado geral do animal, devemos fazer um tratamento auxiliar com a utilização de soros (Fortemil), antipiréticos (Finador), antiinflamatórios (Maxicam 2% Injetável, Cortiflan ou Diclofenaco).

Fonte : Jean J. Perícole, Médico Veterinário e Supervisor Técnico de Produtos da Ourofino
www.ourofino.com

0 comentários

Postar um comentário