quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Distúrbios Reprodutivos



Anestro

É o período de completa inatividade sexual, caracterizada pela ausência da manifestação de cio. O anestro ocorre principalmente durante o pós-parto e a lactação. 
A incidência e a duração ao anestro pós-parto variam nas diferentes raças bovinas de acordo com o nível nutricional, idade, produção de leite, intensidade e freqüência da amamentação, época 3º parto, grau de involução do útero etc. 
O anestro ocorre também durante o período que antecede a puberdade das novilhas e durante a gestação. Determinadas condições patológicas dos ovários e do útero também contribuem para a incidência do anestro pós-parto: 

a) HIPOPLASIA OVARIANA: animais com hipoplasia ovariana parcial ou total, atingindo um ou dois ovários, apresentam sinais de subfertilidade ou infertilidade, entretanto, a incidência desta anormalidade é baixa em bovínos.
Clinicamente, os ovários são pequenos, consistentes e lisos. Os cios são irregulares e muito espaçados quando a hipopLasia é parcial. No caso de hipoplasia total e bilateral os animais apresentam trato reprodutivo infantil e nunca manifestam cio. 

b) C!STOS FOLICULARES: são folículos que acumularam grande quantidade de fluído, mas não ovularam. A incidência de cistos foliculares é mais freqüente em bovinos leiteiros, nos três primeiros meses de lactação, do que em bovinos de corte.
Vacas com cistos foliculares exibem manifestação sexual intensa (ninfomania) a intervalos irregulares, relaxamento dos ligamentos sacrociáticos e cauda elevada, acentuado corrimento de muco pela vulva e podem desenvolver características secundárias masculinas. Como é uma condição de caráter hereditário, os animais portadores devem ser eliminados.

c) "FREEMARTINISMO": é a modificação das estruturas do trato reprodutivo da fêmea durante a vida intra-uterina, quando gêmea de um bezerro macho. A genitália externa, com raras exceções, assemelha-se à de fêmeas normais, porém o tamanho da vagina é reduzido. As glândulas mamárias e as tetas são rudimentares quando comparadas àquelas de animais normais na mesma faixa de idade. 

d) FATORES UTERINOS: a distensão do útero em bovinos devido a condiçôes patológicas (piometra, mumificação e maceração fetal) está associada à persistência do corpo lúteo e, como conseqüência, inibe a manifestação de ciclos estrais regulares. 

e) CIO SILENCIOSO: é a ocorrência de ovulação sem que o animal apresente sinais externos de cio. Sua ocorrência é mais elevada em animais subnutridos, nos primeiros 60 dias pós-parto em vacas de corte que amamentam seus bezerros e em vacas leiteiras submetidas a três ordenhas diárias. 
 


Retenção de placenta 

A placenta retida por mais de 12 horas após o parto é considerada como condição patológica e está associada a processos infecciosos, parto distócico, inércia uterina, indução do parto com dexametasona e partos gemelares. Sua incidência é mais comum em gado leiteiro e a fertilidade é prejudicada devido ao atraso na involução do útero. 

Prolapso com inversão do útero

É quando parte do trato reprodutivo é projetada pela vagina e ocorre algumas horas após o parto. É mais comum em vacas pluríparas, estabuladas, partos gemelares e relaxamento excessivo dos ligamentos pélvicos.

Doenças infecciosas ou viróticas da esfera reprodutiva

Diversas doenças da esfera reprodutiva podem reduzir a fertilldade, entre elas a vibriose, brucelose, leptospirose, diarréia viral dos bovinos (BVD), infecções uterinas etc. A consulta a um médico-veterinário para o controle e prevenção dessas doenças é indispensável, pois muitas delas poderão ser evitadas através de um programa de vacinação. 



Fonte: CNPGC

0 comentários

Postar um comentário