sábado, 27 de novembro de 2010

Leguminosa Crotalaria



    Nomes científicos: Crotalaria spectabilis e Crotalaria juncea
  • Sementes: 18.000 a 35.000 unidades/kg

  • Toxidez: possui o alcalóide pyrrolizidine que é convertido, no fígado, em uma toxina potente (trichodesmina)

  • Fotoperíodo: planta de dia curto

  • Ciclo vegetativo: anual 120 a 150 dias

  • Altura da planta: spectabilis até 1,0 m e juncea até 2,5 m

  • Formas de crescimentos: spectabilis rasteiro com estolões, juncea em forma de cipó e ereta

  • Formas de uso: rotação de cultura, adubo verde, produção de fibras (juncea), controle de nematóide no solo

  • Precipitação pluviométrica: 800 mm/ano

  • Tolerância a insetos e doenças: é atacado por vírus, fungos, insetos e nematóide. Normalmente, causam pouco dano econômico

  • Produção de matéria seca: 5 a 19 t MS/ha/ano

  • Consorciação: café, citrus, cana de açúcar, maracujá ou rotação de cultura anual (soja)

  • Fertilidade do solo: acima de média fertilidade

  • Forma de plantio: sementes

  • Dormência das sementes: Inexistente

  • Inoculação: não requer, rizobio nativo

  • Modo de plantio: em linha ou a lanço

  • Sementes necessárias: 40 a 45 kg/ha para pastagem e 150 a 200 kg/ha para produção de fibra

  • Espaçamento: 0,5 a 1,0 m

  • Tolerância à seca: alta

  • Tolerância ao frio: baixa

  • Profundidade de plantio: 3 cm

  • Adubação: de acordo com as recomendações técnicas determinadas pela análise de solo

  • Pureza: mínima 95%

  • Germinação: mínima 70%




  • Atributos especiais: Toleram cortes desde que não feitos próximos à superfície do solo. A inoculação de sementes, antes da semeadura, com bactérias fixadoras de nitrogênio tem se mostrado desnecessária no Brasil. O plantio consorciado de crotalárias com culturas anuais não é recomendado em áreas não irrigadas localizadas em regiões nas quais é alta a probabilidade de ocorrência escassez de chuvas. O consumo de plantas de crotalária, por animais (bovinos, eqüinos e outros) pode causar-lhes sérios problemas de toxidez, provocados pela presença, nas plantas, de determinadas substâncias alcalóides do tipo pirrolizidina.
    Uso potencial: as plantas de espécies de Crotalaria são freqüentemente utilizadas como ‘adubo  verde’; nesse caso, seu cultivo é feito com os propósitos de aumentar o teor de matéria orgânica e/ou de nitrogênio e melhoria das condições químicas, físicas e biológicas do solo. No entanto, em várias circunstâncias outros de seus atributos têm justificado sua utilização (controle de plantas invasoras, de fitopatógenos, de erosão, proteção contra ventos e cobertura do solo). Seja qual for o atributo motivador do seu uso, o objetivo invariavelmente é promover aumento de produtividade agrícola e a sustentabilidade de sistemas de produção.



    Fonte: Ourofino e Portal Agronomia

    0 comentários

    Postar um comentário